quinta-feira, 26 de julho de 2007

Até quando?

"Apoio totalmente a manifestação promovida pela Sr. Karina Florido.
Trabalho como voluntário há mais de 5 anos junto à familiares de vítimas da criminalidade, pessoas que tiveram filhos(as), esposos(as), parentes em geral mortos por um dos 111 que a peça trata como vítimas da sociedade. Enquanto essa inversão de valores continuar ocorrendo nesse país, as coisas só vão piorar.
A impunidade é o combustível da criminalidade. Acho ridículo ver tantos jornalistas, escritores, dramaturgos e outros afins perplexos com a manifestação de Karina Florido. Já falei muitas vezes e repito: creio que muitos Celsos-Daniel e Tim-Lopez serão necessários até que a imprensa e formadores de opinião percebam que estamos em uma guerra civil não declarada. Morre-se mais gente por final de semana nas grandes cidades brasileiras do que no Iraque. Novamente, gostaria de deixar meus parabéns à Karina Florido e às outras pessoas que a acompanharam em uma manifestação pacífica e apartidária.
Não sou nem de direita, nem de esquerda. É incrível que sempre que alguém fica indignado com a inversão de valores do nosso país (bandido sendo tratado como rei enquanto milhares morrem de fome e frio nas favelas) é taxado de "direita facista"......Todos que assistirem a peça deveriam passar na FEBEM depois e pegar uma criança de 17 anos para dormir no quarto da sua filha.
Estatisticas publicadas recentemente pelo economista Steven D. Levitt, professor da Universidade de Chicago nos EUA mostraram que a duração e o rigor das penas foi um dos fatores que mais contribuiram para a queda do índice de criminalidade nos EUA nos anos 90 (juntamente com a legalização do aborto, quem tiver interesse, leia o livro "Freakonomics").Não concordo que presos tenham que ser maltratados, humilhados ou tratados como bichos. Mas em um país onde mais de 30 milhões de pessoas está abaixo da linha da pobreza e o estado gasta mais de 3 mil reais/mês com cada preso, é irreal falar em melhores condições de cárcere.Milhoes de Brasileiros que nunca cometeram crimes nem sempre tem 3 refeições por dia, banho quente, visita íntima, prostitutas ou celular. Por que presidiários deveriam receber melhor tratamento do que um cidadão de bem que nunca cometeu nenhum crime? Essa inversão de valores sim é extremamente perigosa, pois passa a falsa impressão para a sociedade (principalmente os jovens) de que o crime compensa. Primeiro, porque a chance de ser pego é baixa, segundo porque mesmo sendo pego, a condição que viverá não será muito diferente da sua situação atual, podendo até ser melhor.....Em terceiro, porque em poucos anos ele sabe que estará de volta às ruas, legalmente ou ilegalmente."

FERNANDO SAFFI
comentário postado originalmente no Blog do Zanin, do Portal do Estadão

3 comentários:

Nanda Rovere disse...

A entrevista do Dib para o Aplauso expressa totalmente a minha opinião sobre o assunto ¨crime e justiça¨
Parabenizo o Dib por suas palavras e toda a equipe pelo ato democrático de sábado último.
Não estava lá de corpo ¨presente¨, mas estava de coração.
...Este debate fervoroso mostra que este espetáculo está mais atual do que nunca e merece ficar muito tempo em cartaz

Tenho escrito a minha opinião nos comentários dos ¨posts¨ e reafirmo aqui a minha admiração por todos vcs.

Beijao e merda sempre

Nanda Rovere disse...

Ah Domingo, ´pós o Fantástico, vai passar Carandiru, na Globo
Uma boa oportunidade para ver ou rever o filme, assistir a peça e refletir

Macuco Cheiroso disse...

Concordo plenamente com o post e com a Karina, também!!!
Acho, inclusive que pessoas cultas que defendem esse tipo de marginal, deveriam ter cassados seus direitos à justiça, quando sofrerem qualquer tipo de agressão por parte de ladrões, estupradores, etc.....
E mais, não acho que bandidos devam ser tratados como animais, pois animais são bons. Bandido tem que ser tratado como bandido, mesmo.....ser torturado, humilhado, morto e etc...